Contornos de opressão – ebook

Hoje resolvi contar sobre um texto que escrevi há uns anos atrás no mestrado, como trabalho final da disciplina de Ecofeminismo. E que foi intitulado O cotidiano: uma crônica sobre a sutileza da opressão do feminino. Com o modo que só a Carol (que ministrava a disciplina) tinha de dar aula e o jeito para…

Continue lendo

Desistência… – trecho

(…)“Desisto”Escrevo…Coloco-me para embalar no fundo do poço.“Desisto”, escrevo…Eu fracassei.Eu fracassei tão bem e continuo. E fracasso com tanta má desenvoltura que até fracassando eu fracasso. Fracasso pelas metades. Há resíduos, um pouco de pó e poeira que atrapalham o fracasso.Eu fracassei, engulo com liberdade. Ando só e sigo. É livre, um passo no escuro, divagar,…

Continue lendo

Sorte

“O dia que eu não sinto cheiro de sangue, de machucado, eu acho que eu morri. Sei que a vida segue nos conformes porque vivo com sangue e pus espirrados na bata.” (p.63) (Há pouco mais de um ano atrás estava em Lisboa para acompanhar um encontro de escritores. Eu estava em expectativa, mas foi…

Continue lendo

Trecho: meu filho

Escrevo enquanto você me espera, me gesta no tempo que esta gestação tem para ser. Minhas mãos suam, minha cabeça dói, meu corpo está com frio. Eu tenho medo morando mim, uma angústia que mede e toma todos os movimentos, todo respiro, toda esperança e toda fé. Uma angústia que não dá tempo de chorar,…

Continue lendo

Trecho: Ninho e barco de papel…

Eu não sei mais nada de você…Acompanhei o silêncio do dia com meu próprio silêncio. A voz diziam que me saia fraca, ‘inescutável’ quase. Respirar ainda doía, o coração músculo existia dolorido, era a falta de exercício de força ou a força demais.Acompanhei o silêncio do dia, a desaceleração das cores e da luz, o…

Continue lendo

Eu pássaro

Era sono, os olhos pesavam.Era luz caindo a tardeDerrubando um domingoO dia entristecido.A tristeza fora feita com gosto.Hoje tenho saudade.E o que consola é pássaro aparecidoDesaparecidoQuando apareço na janelaEscondidaEm frente a xícara.Tudo se esvaziaarmários,árvores, raízes.Todos se esvaziam…Vozes, cascas, pedrase nomes.Tudo se esvazia,Encho-me do vazio vazioEsvazioSilêncioTotalIndício nenhum de algum qualquer alguém.SópalavraQue quero sem matériasem palavra.Esvazia-se sóa…

Continue lendo

O primeiro conto da manhã…

O primeiro vento da manhã janela adentro não era ensejo nem desespero, talvez desejo desperto… Desapertado no tocar do vento que foi riscando a pele, eriçando pelos. O vento gelado era manhã esquentando a boca, ressecando os dedos. Um talvez qualquer misura, fissura, vontade e toque de prega e alça, a forma esboçada, um corpo…

Continue lendo

Natal

Nos últimos dias escrevi páginas que não se sustentaram. Rabiscadas em folhas amarelas, ficaram por ficar. Foi entre um respiro e um suspiro de véspera que as palavras mais sinceras chegaram como um recordo. Diante de tanta frase e tanta letra torta, o que sustentou o gestar do mundo foram os minutos que estanquei no…

Continue lendo

Chovi…

ChoviPétalaFolhaque voae nadae some…Chovi pó,na mãodeslizou a pedra geladailusão do algodãogrão no prato,no asfalto, na contramãomãos.ChoviSem hora sem diaMorta vivaEscrevi.Chovi.Chovi sobre o guarda-chuva.Fechei o tempo e carreguei-me nuvem escura. Cada nuvem que estacou no céu espaço aqui agora. Amassei as cores num canto ângulo, grau… Montei tabuleiro céu frio e então caí…Pingos grossos, densos, profundos, fundos que…

Continue lendo