Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres

“Nós ainda somos moços, podemos perder tempo sem perder a vida inteira. Mas olhe para todos ao seu redor e veja o que temos feito de nós e a isso considerado vitória nossa de cada dia. Não temos amado, acima de todas as coisas. Não temos aceito o que não se entende porque não queremos…

Continue lendo

Contornos de opressão – ebook

Hoje resolvi contar sobre um texto que escrevi há uns anos atrás no mestrado, como trabalho final da disciplina de Ecofeminismo. E que foi intitulado O cotidiano: uma crônica sobre a sutileza da opressão do feminino. Com o modo que só a Carol (que ministrava a disciplina) tinha de dar aula e o jeito para…

Continue lendo

Sorte

“O dia que eu não sinto cheiro de sangue, de machucado, eu acho que eu morri. Sei que a vida segue nos conformes porque vivo com sangue e pus espirrados na bata.” (p.63) (Há pouco mais de um ano atrás estava em Lisboa para acompanhar um encontro de escritores. Eu estava em expectativa, mas foi…

Continue lendo

Cartas a um jovem poeta

Semanas passaram da sexta-feira em que tudo parecia agitação, evento, encontro, copo corpo agitado com taça de vinho… Eu não sei bem como foi… Eu estava no sofá mexendo em pastas. Abertas, cada uma delas arquivando um lado outro de encontro – mais, caminhada, olhos no jardim, taça de vinho… Eram livros…   Era sexta-feira na…

Continue lendo

Van Gogh em quadrinhos

Semana passada revirando pastas de computador encontrei a foto da capa de um livro já lido, um daqueles que uma vez por outra pego só para folhear, virar a página, revirar os desenhos. É um livro que conta um pouco da vida de quem viveu o próprio mundo, mesmo que o mundo não o entendesse:…

Continue lendo

Uma livraria de mulheres no Porto

De tarde tentei lembrar como fiquei sabendo sobre a Confraria Vermelha, talvez tenha sido numa dessas andanças digitais que começam não sei onde e vão pra não sei que lugar. Acontece que as vezes acabo achando um bom lugar. Achei a Confraria Vermelha – Livraria de mulheres. Na primeiro sábado de sol apanhei o comboio…

Continue lendo

O peso do pássaro morto

Depois de lido o livro agora arquiva uma passagem de avião, um marcador de página e um pedaço de papel com uma data de prazo. Li as primeiras páginas de O peso do pássaro morto no aeroporto e as páginas seguintes numa viagem de trem do norte ao centro de Portugal. A cada punhado de…

Continue lendo