Para ela… – trecho

  (“(…) Àquela altura eu já tinha percebido que procurar era a minha sina, emblema dos que saem à noite sem propósito fixo, razão dos assassinos de bússolas.” – (pos.259)) Nunca mais vou voltar…E nunca é um talvez ecoado, um alguém inexistente. Foi ou é ou será, a in-conjugação sem o tempo ou para além de…

Continue lendo

Desvio ou desencontro

“Se você quer amar não pode ser indiferente.” (Papa Francisco) Na rua para casa o anúncio: desvio. No miado insistente, na casa, os degraus do corredor, um teto invertido. Sento-me com os degraus compartilhando a confidência das palavras ou talvez o silêncio nublado de um domingo. Eco, é sutil o toque das letras… Talvez sejam…

Continue lendo

O próximo instante

A última pincelada antes da meia noite. As folhas caíram, ainda estão sobre o chão. A luz ao lado, do lago, acesa, um piano ou um violino, um latido miado ou pássaro cantando as histórias que ainda estão para ser lidas para embalar a noite…Penso em ti ou em você.Deito-me na grama e deixo que o…

Continue lendo

Caminho sobre os trilhos…

“Toda mudança é um milagre a contemplar; mas esse milagre está ocorrendo a cada instante.” (Walden, p. 19)Caminho sobre os trilhos…Feche os olhos e escute o tilintar da partitura que fez dos trilhos a linha da música… Escute pois estou seguindo, é suave e cuidadosamente que toco a quietude da sua mão. Confie de olhos…

Continue lendo

Meu coração é uma prece

Eu não sei se foi de distração ou de manhã que acordei quase num susto de janela clara e nuvens e promessas de chuva. Eu havia dormido fundo e distraidamente. Eu passei sem ver e existia um milagre contrafeito de efeitos e feitos e… Nada soube-se dizer porquê. O porque já não havia. Então, um…

Continue lendo

Resista – trecho para ouvir

Acho que lembro o que foi escrever o poema “Resista”… Dias e não notícias e tudo que gritava resista, só mais uma vez resista – por mim e por tantos outros. Minha resistência é escrever o poema que quer ser escrito. É amar como ato de resistência, resistir como ato de amor…O poema “Resista” compõe…

Continue lendo

Minha guerra e a miséria nossa de cada vida

Sentei-me na sala vazia…Estamos condenados por tudo aquilo que inventamos como limite.Estamos condenados pelo arsenal de dominações e denominações do que existe.“Mãe, seria tão bom se não existissem bandeiras…”Seria tão bom se essas perguntas fossem apagadas… Sobre locais de nascimento, sobre demarcações, sobre de onde vem ou venho, para onde vão, sobre (de onde somos?,…

Continue lendo

Tempo verbal(e)

Uma semana deitada ao sol, pensando no que não pode ser pensando. Escrevendo palavras que não são escritas e, por hora, são o nunca serão. Não lembro se amanheceu o céu em nuvens ou se já era dia de sol claro, derretendo o vidro da janela, dobrando as curvas das telhas. Os meus olhos sem…

Continue lendo

Seria feliz…

Fechei a janela quando resolvi contar sobre aquilo que me deixa feliz quando estou aqui ou lá, das escolhas mais fáceis, das manhãs, daquelas tardes… Num fim de manhã de julho em chuvisco eu cheguei em casa deixando os papéis sobre a mesa  – o lugar onde tudo fica largado como seguro  -,  tirando casaco,…

Continue lendo

Da janela vê-se a lua – trecho

  (…)Quero desconhecer o âmago de cada risco derramado sobre a folha. Não, eu quero conhecer. Quero ser o inteiro âmago desconhecido de si além de âmago de ser. Bem, talvez…Em cada instante, no risco, no contraste da forma errônea e despretensiosa da não técnica, há de existir a emoção que chora, a única única….

Continue lendo