Resista – trecho para ouvir

Acho que lembro o que foi escrever o poema “Resista”… Dias e não notícias e tudo que gritava resista, só mais uma vez resista – por mim e por tantos outros. Minha resistência é escrever o poema que quer ser escrito. É amar como ato de resistência, resistir como ato de amor…O poema “Resista” compõe…

Continue lendo

Resista

Como quem dá a mão, resista.Como uma muda plantada,Como uma araucária que continua em pé,Como uma árvore depois de cortada,Um broto,Uma semente,Como uma flor no asfalto,Como um não,Como uma folha grudada no vidro, resista.Como um raio de sol que ultrapassa a nuvem, Como um segundo respiro depois que o ar acabou,Como o mergulho da gaivota,Como a…

Continue lendo

Estranheza…

  A estranheza de conhecidos lugaresUma vida inteiraA estranhezaE a perda E a pena que desfolha e voa A estranhezaDesconhecida Os lugares mesmosA esmosEstranhosUma vida inteiraMetades inteirasPedaços fatiadosRetalhosPassados (des)pedaçosDescansoDescalçoSem casosRasos desencontrosDesencontradosAo acasoNada casaO acasoRuas pequenasDesencontrosSalvosVazios Nada de estranhoO acasoO silêncio do acasoSem o acaso Presença nadaPassos molhadosA conversa da chuva nos braçosA pele Caminhando ao acasoO acasoEstranhaEstranho o acaso impronunciávelO sujeito…

Continue lendo

Feitura

Tudo em mim é distância.E pássaro e vento.Tudo em mim é pássaro e vento.E distância.Quase tudo em mim é…Quase tudo…DistânciaPássaroVento…Quase tudoPássaroVentoDistância.DistânciaPássaroVento…Quase tudo…07.09.2020

Continue lendo

Eu pássaro

Era sono, os olhos pesavam.Era luz caindo a tardeDerrubando um domingoO dia entristecido.A tristeza fora feita com gosto.Hoje tenho saudade.E o que consola é pássaro aparecidoDesaparecidoQuando apareço na janelaEscondidaEm frente a xícara.Tudo se esvaziaarmários,árvores, raízes.Todos se esvaziam…Vozes, cascas, pedrase nomes.Tudo se esvazia,Encho-me do vazio vazioEsvazioSilêncioTotalIndício nenhum de algum qualquer alguém.SópalavraQue quero sem matériasem palavra.Esvazia-se sóa…

Continue lendo

Nada

nome cego.estraçalhado limite.se entender perco…a compreensão.acho.me perco.Eu que não sinto saudadeSintoRecentetarde que termina cedoesfumatura de lua que lá longe…Lá longe,Esboçada em pedaços de nuvens,Guarda o mundo…Que lá longe esquece a continuidade…Eu não entendoSe entendoNão escrevo.Nunca entendonadapor isso [talvez] não fui boa aluna… do primário à faculdade (só) acumulei chaveiros…Não dizem nadaVidros vazios rotulados.No espaçoSala de aula viajavanos calçados…

Continue lendo

Terceira pessoa – eu

Não via sentido. Disfarçava, como se fosse personagem riscando dores de mundo… Como se através do beijo não dado colocasse em outra boca um dia próprio. Não havia sentido…Palavras faltavam, fugindo.Sentimentos ficavam parados pela metade, inibidos, inseguros. Não confiavam na imposição de outra pessoa.Era eu quem os amparava.Eu que os embalava chorando, chorando, chorando no colo…

Continue lendo

Excessos (parte)

Sylvia nunca me esperou. Vitor não soube meu nome. As esquinas não sabem onde estou. Meu estômago roncava querendo botar pra fora a tempestade tropical, os calos na garganta eram silêncios apertados. Eu queria desaguar nos olhos Eu estava seca queimada como floresta esquecida… Esquecida e abandonada nos corpos vivos queimados até a raiz. Queria…

Continue lendo