Aos 17 anos

“Tudo é possível diante dos ventos contrários…” (Edgar Morin citando Vassili Grossman)Eu tinha 17 anos quando me deparei com a morte, a morte que você sente em você, a morte impossível, do cinema em cena dramática. Foi uma manhã linda de sol, sábado. Eu estava pronta para seguir para onde fosse, para cuidar, proteger, ficar…

Continue lendo

Bandeira preta na cidade do interior

Estou aqui (e não). Endereço fixo. Portão e porta, chave no carro, quarto da infância. Mas fora de casa, longe de casa. Percebi com nitidez agora o lugar onde nunca fui, onde não sou, mas estou… Estou há quase seis meses fora de casa. E, atualmente, impedida de voltar… Demorei para escrever esse texto -…

Continue lendo

Resista

Como quem dá a mão, resista.Como uma muda plantada,Como uma araucária que continua em pé,Como uma árvore depois de cortada,Um broto,Uma semente,Como uma flor no asfalto,Como um não,Como uma folha grudada no vidro, resista.Como um raio de sol que ultrapassa a nuvem, Como um segundo respiro depois que o ar acabou,Como o mergulho da gaivota,Como a…

Continue lendo

O carteiro de Pablo Neruda – trecho

“Falta-me o mar. Faltam-me os pássaros. Manda-me os sons da minha casa. Vai ao jardim e deixa tocar os sinos. Primeiro grava esse repicar fininho dos sininhos pequenos quando os agita o vento, e a seguir puxa a corda do sino maior, cinco, seis vezes. Sinos, meus sinos! Não há nada que soe tanto como…

Continue lendo

Sopa de passatempo – trecho

(…)No que existiu soprando respirei-me pássaro sem asas, que sobrevoa o mergulho ao nada e então sonha… O pássaro de sonho alcança da memória o passar do tempo que balança na colher de sopa. Assopra passatempo… Cata-vento, vulcão de um pássaro que não tem bicar para dizer o que é.E o passar do tempo a…

Continue lendo

O apanhador no campo de centeio – trecho

“Entre outras coisas, você vai descobrir que não é a primeira pessoa a ficar confusa e assustada, e até enojada, pelo comportamento humano. Você não está de maneira nenhuma sozinho nesse terreno, e se sentirá estimulado e entusiasmado quando souber disso. Muitos homens, muitos mesmos, enfrentaram os mesmos problemas morais e espirituais que você está…

Continue lendo

Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres

“Nós ainda somos moços, podemos perder tempo sem perder a vida inteira. Mas olhe para todos ao seu redor e veja o que temos feito de nós e a isso considerado vitória nossa de cada dia. Não temos amado, acima de todas as coisas. Não temos aceito o que não se entende porque não queremos…

Continue lendo

Como um pássaro…

Eu não sei o que foi que escrevi no minuto atrás, antes, quando não escrevi. Escorri-me uma lágrima de emoção por ser criança, por nunca crescer, por ser sempre e ainda coberta em flores e mato estranho levantado entre telhado com ranhura de asfalto, cores que são doces nuvens desenhadas. Este estranho eu jeito, meio desenhado,…

Continue lendo

Estranheza…

  A estranheza de conhecidos lugaresUma vida inteiraA estranhezaE a perda E a pena que desfolha e voa A estranhezaDesconhecida Os lugares mesmosA esmosEstranhosUma vida inteiraMetades inteirasPedaços fatiadosRetalhosPassados (des)pedaçosDescansoDescalçoSem casosRasos desencontrosDesencontradosAo acasoNada casaO acasoRuas pequenasDesencontrosSalvosVazios Nada de estranhoO acasoO silêncio do acasoSem o acaso Presença nadaPassos molhadosA conversa da chuva nos braçosA pele Caminhando ao acasoO acasoEstranhaEstranho o acaso impronunciávelO sujeito…

Continue lendo

Honesto ou…

Teria sido honesto caminhar em silêncio, esquecida de mim em mim e de você – talvez – em você ou em outra vida qualquer. Seria honesto caminhar com silêncio sem dizer impropérios, sem vulgarizar ou maltratá-lo como se não fosse eu dele, sem preenchê-lo como perfumaria, porque os perfumes me enjoam e cheiro em mim…

Continue lendo