Do binário errado

O mundo caia na cabeça se desfazendo. Olhou para o céu sorrindo. Sorria enquanto o mundo caia na cabeça. Na janela, sinais do vento. Quando o trem moveu os trilhos um grão de pó ficou para trás. O café esfriou na cafeteira sem que alguém bebesse o último gole morno. Um pássaro morreu na calçada,…

Continue lendo

Zoki

Talvez fosse apenas um retrato recortado de uma hora ou um punhado de páginas feitas de partes menores.  Brevidade de um sábado, trecho de um domingo em que desejava tocar o fundo de cada letra daquele conto fictício narrado na voz rouca de Zoki… “not maybe, you will…” Nos pés uma garrafa de vinho inútil,…

Continue lendo

Tudo que corre, corre…

Uma única lágrima que corre.Corre.Morreu na boca.Alimentou um suspiro seco de ar.Horizontal.Vertical.Esse todo vago que corre quando alguém grita que “tudo corre”.E tudo corre numa tal e precisa perfeição não sinfônica. Desafinada. Alinhada nas cordas de um violino cansado no ombro.Pedras, bolinhas de gude sozinhas que correm, equilibradas umas nas outras. Pedras e bolinhas de…

Continue lendo