Eu Van Gogh de orelha decepada

Tenho dentro um Van Gogh. De orelhas que foram decepadas pelo ruído insistente no ouvido. Cobrança que chegou com juros. Eles empurram garganta abaixo — como num pato de indústria de patê — o mundo que eu deveria ver. Eu não vejo. O dinheiro quase sujo, nos apodreceu numa manhã sem água nem sol. Mas como Van Gogh tenho…

Continue lendo

08 de março de 2019

Era hora de ir pra rua e eu estou aqui. Escrevendo. Enquanto escrevo eu invento uma outra forma de revolução que me serve. É uma daquelas silenciosas. Uma revolução que se deita comigo e no dia seguinte quando acorda põe tudo a baixo. Hoje, quando acordei li até o fim o segundo capítulo de Orlando,…

Continue lendo

10 anos e uma morte

Já não tenho sono, na madruga desperto. Uma frase solta se agarra a mim num pedido de que dela eu diga. Egoísta que só sabe ser. Eu me preparo como rei em frente ao espelho de ouro para frases em pedaços de anos. O dia exato em que lhe escrevo. Precisei de 10 anos para…

Continue lendo

Enquanto lê o conto da semana

Lê um conto. Daqueles que chegam uma vez por semana. No meio da leitura, enquanto os olhos correm da esquerda para a direita, escreve um conto que não escreve. Espera pelo fim (do conto). Aí vai crescendo em letras erradas aquela ânsia — meio vômito meio choro — não anunciada num “quero minha mãe” criança da pré-escola, adulto que…

Continue lendo

Eu seria feliz…

Fechei a janela quando resolvi contar sobre tudo aquilo que é feliz quando estou aqui ou lá, das escolhas mais fáceis, das manhãs, daquelas tardes… Num fim de manhã de julho em chuvisco eu cheguei em casa deixando os papéis sobre a mesa  –  o lugar onde tudo fica largado como seguro  -, tirando casaco, desenrolando…

Continue lendo

On the road…

Presta atenção! Do lado de fora são os barulhos de carros freando desatentos e buzinas acordando os distraídos, polícia girando sirenes que dão medo. Do lado de fora tem a notícia da política todos os dias, bolsa cai, bolsa sobe. Cinco dias por semana o mesmo trajeto, o mesmo horário, o mesmo cardápio pontualmente posto….

Continue lendo

Casa amarela

Na rua onde moro existe uma casa esquecida pelo tempo… Ela é cercada por um pequeno muro de tijolos antigos que está sob uma cerca baixa, de ferro, pintada de branco. Na rua onde moro, existia uma casa. Sua base era feita de tijolos compactos que davam sustentação às madeiras largas, grossas e densas. Essas…

Continue lendo

Vigia e depois misture azul com rosa

Cuidar de si ficou difícil: Um corpo parido, um rasgo, uma sentença. Um guarda-roupa definido: A marca de nascença. Então, crescido crescida vigia: Vigia a cor de suas roupas. O pote de sorvete que a criança pede, as cores do sorvete, da bicicleta, do tênis, da grama, do céu, do pássaro, da cama, da bola……

Continue lendo