Meu pai…

Quando eu era pequena meu pai inventou um jacaré nascido no ninho de um pé de erva-mate. Cantou para mim… Me falou sobre a natureza, sobre animais soltos, sobre árvores, me chamou para ver pássaros. Meu pai descascou-me laranjas – ainda descasca. Meu pai almoçava na frente da televisão, assistindo desenho animado. E nos domingos…

Continue lendo

Natal

Nos últimos dias escrevi páginas que não se sustentaram. Rabiscadas em folhas amarelas, ficaram por ficar. Foi entre um respiro e um suspiro de véspera que as palavras mais sinceras chegaram como um recordo. Diante de tanta frase e tanta letra torta, o que sustentou o gestar do mundo foram os minutos que estanquei no…

Continue lendo

Cartas a um jovem poeta

Semanas passaram da sexta-feira em que tudo parecia agitação, evento, encontro, copo corpo agitado com taça de vinho… Eu não sei bem como foi… Eu estava no sofá mexendo em pastas. Abertas, cada uma delas arquivando um lado outro de encontro – mais, caminhada, olhos no jardim, taça de vinho… Eram livros…   Era sexta-feira na…

Continue lendo

Se eu chorar…

Se eu chorar você me acolhe? Se eu chorar agora você se encolhe em mim enquanto me acolhe? Se eu chorar agora quando o mundo me engole você me acolhe? Você me engole se eu chorar encolhida nas voltas do frio da fresta da porta do jardim da outra parte do outro lado do muro…

Continue lendo

Zoki

Talvez fosse apenas um retrato recortado de uma hora ou um punhado de páginas feitas de partes menores.  Brevidade de um sábado, trecho de um domingo em que desejava tocar o fundo de cada letra daquele conto fictício narrado na voz rouca de Zoki… “not maybe, you will…” Nos pés uma garrafa de vinho inútil,…

Continue lendo

Em (fim)…

Espalhei frases no caderno. Foram três páginas até alcançar a neblina que correu no meu corpo, nas minhas veias, na minha pele, através dos meus olhos, na secura do cabelo. Era a mesma velocidade em que o carro foi correndo para além do limite. Há viagens que se fazem para comemorar, para conhecer, para registrar,…

Continue lendo

O que a Amazônia tem a ver com o nosso prato?

Hoje de manhã acordei com a mesma imagem com que fui dormir. As chamas nos olhos e um choro engasgado, uma amarga sensação de impotência, de fraqueza, de inutilidade. No outro lado do mundo deu pra ver a fuligem fugindo, deu pra ouvir as árvores lamentando o fim da vida, os animais sufocando como o…

Continue lendo

Um canto no impossível…

Daqui a uma hora a noite vai clarear, transmutar-se em dia iniciado, feita de vida nova, renascida…. Em uma hora a noite é clara feito dia. Eu ainda não dormi. Eu não dormi. Na noite parada em horas girando… Aos giros, aos giros. Aos giros Van Gogh eu não sei como foi que aconteceu. Fui…

Continue lendo

Eu que não cresci

Quem brincou comigo de boneca, agora tem nas mãos bonecas que movem os pés quando querem ao mesmo tempo em que jogam os bracinhos no ar. Mas eu… Eu que não cresci, fiquei de lado na brincadeira. Mudei de lado na terça-feira e, sei lá, deixei ir por outro trilho, outra margem na folha. Fui…

Continue lendo

08 de março de 2019

Era hora de ir pra rua e eu estou aqui. Escrevendo. Enquanto escrevo eu invento uma outra forma de revolução que me serve. É uma daquelas silenciosas. Uma revolução que se deita comigo e no dia seguinte quando acorda põe tudo a baixo. Hoje, quando acordei li até o fim o segundo capítulo de Orlando,…

Continue lendo